O que é parto humanizado?

A gente fala tanto em parto humanizado que eu mesma já fiquei enjoada do termo – confesso. Parece que falar disso é falar de um produto já devidamente rotulado e empacotado para viagem, como algo que se compra no mercado. Essa mercantilização do nascimento me incomoda e por isso às vezes implico com o termo, até porque eu acredito na humanização da MEDICINA, mas vamos lá: trata-se, na verdade, de um conceito deveras simples, baseado em uma tríade que pressupõe: FISIOLOGIA-SEGURANÇA-PROTAGONISMO.

Nesse sentido, o parto humanizado não é para quem o escolhe, ele é simplesmente indicado para todas as mulheres e não tem tanto a ver com essa imagem meio haribô que é vendida por aí (mas se você quer um parto haribô, tudo bem também!)

A humanização, como dito, apoia-se em três premissas básicas:

1️⃣ Respeito à fisiologia do parto: entendemos que o parto é um processo pelo qual o corpo feminino está preparado para passar, assim como digerir a comida, evacuar ou fazer xixi. Pode dar errado? Pode, claro, assim como qualquer outro processo fisiológico do nosso organismo.

Mas o extenso conhecimento em anatomia e fisiologia nos mostra que na esmagadora maioria dos casos, o parto vai dar certo e os bebês irão nascer. Entendemos isso e respeitamos isso. Para os demais casos, para aquela minoria que vai sim precisar de nós, estaremos prontos para intervir. E por que será que muitos bebês não nascem tranquilamente no Brasil? Pelo próximo ponto.

2️⃣ Base em evidências científicas: no nosso país, há pouco ou nenhum respeito pelas mais recentes e mais bem embasadas evidências científicas (em qualquer área da medicina). São elas que irão pautar e basear nossa assistência.

Nenhum profissional de saúde tem que ACHAR nada ou pautar condutas exclusivamente baseado em sua experiência profissional, pois o que importa são os dados científicos abrangentes e sérios disponíveis. Estudar e manter-se atualizado, portanto, é condição sine qua non para qualquer profissional de saúde, inclusive na assistência ao nascimento. A única coisa que deve ser considerada tão fortemente quantos as evidências científicas é…

3️⃣ O protagonismo da mulher: o parto é dela, simples assim. A gestante deve ser devidamente informada de TUDO que envolve sua gestação, de maneira honesta, digna, sem infantilizações ou romantizações, sem achômetros ou crenças pessoais do profissional de saúde. Toda mulher merece informação, respeito, escuta, acolhimento e apoio quando da gestação e nascimento de seu filho (e na vida toda, né?). As decisões serão tomadas por ela, em corresponsabilidade com o profissional que a acompanha e deve ser considerada sua opinião, história, religião, valores etc.

Esqueça, portanto, a ideia de que parto humanizado precisa de banheira, luz no teto, música, ou quaisquer outros elementos que você tenha visto em lindos vídeos produzidos. O parto pode até ter tudo isso (ou não, você decide!), mas o que fará dele verdadeiramente humanizado é ter essa base firme, verdadeira e respeitosa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *